O que quer uma Escola de Psicanálise?

Escrito por André Nascimentoregistros p

Resumo: A partir da análise de alguns trechos da Revista Registros Psicanalíticos, o autor pretende responder o que quer uma Escola de Psicanálise.

Palavras-chave:  Ensino, Transmissão, Psicanálise, Estilo, Assinatura, Registros Psicanalíticos.

O que quer uma Escola de Psicanálise?

Esta pergunta me levou a por em cena, a Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória[1], da qual participo, a pouco mais de quatro anos, de algumas atividades – Leituras, Seminários, Curso de Introdução[2] e Eventos. Deste modo, as análises a seguir dizem respeito a esta Escola de Psicanálise.

Qual é o Estilo desta Escola de Psicanálise? Questão que se amplia e se aplica aos seus membros e, também, aos seus participantes, que operam e fazem essa Escola, minimamente, funcionar.

Recorrer a Revista da Escola intitulada Registros Psicanalíticos[3] a fim de encontrar, pistas que possibilitem, senão formular, pelo menos delinear algumas respostas para as questões apresentadas anteriormente, foi o que me foi possível.

A seguir, serão listados alguns trechos das edições já publicadas que me chamaram atenção, mencionados no Editorial.

A primeira edição da Registros Psicanalíticos foi lançada em 2010. Este volume, trás em suas linhas iniciais as palavras Prazer e Entusiasmo: “É com imenso prazer e entusiasmo que trazemos ao público a Registros Psicanalíticos” (Conselho Editorial, 2010, p. 07).

Não seriam o prazer e o entusiasmo algumas das características desejáveis a quem se nomeia, e também é nomeado por alguns outros, de Psicanalista? Já que apontam para o Desejo…

Posteriormente, no mesmo parágrafo, é mencionado que a Revista é “fruto de um trabalho em conjunto, em equipe, mas com a marca da singularidade e da diferença de cada um” (Conselho Editorial, 2010, p. 07).

E que trata-se de um trabalho que objetiva “marcar o percurso de nossa Escola pelo trabalho de seus membros e participantes (…), e fazer circular o resultado do trabalho de cada um e todos nós, a fim de marcar o Estilo de nossa Escola na transmissão da Psicanálise”(Conselho Editorial, 2010, p. 07).

O significante Marca, e o significante Estilo, “ressaltaram” no texto.

Ao escrever “o significante marca”, imediatamente me veio uma ambiguidade de sentido:

De fato, o significante marca, pois tem uma “disposição” (não encontro palavra melhor) a gerir e, consequentemente, produzir efeitos, em toda uma vivência humana, tanto coletiva quanto singular.

Será que também há, por parte da Escola, uma tentativa de Marcar um Estilo próprio?

“Estes Registros”, escreve o Conselho Editorial, “tem a função de dar justos funerais aos restos produzidos pelos membros da Escola. Membros que procuram, com seus traços, abordar os significantes inventados por Freud e Lacan, procurando sempre reinventá-los” (Conselho Editorial, 2010, p. 07).

“Reunir as produções dos cartéis, dos seminários, das leituras, dos lugares de garantia da Escola” (Conselho Editorial, 2010, p. 07), também estão entre os principais objetivos listados. Somam-se a isso, a “eleição de textos, Outros Registros, que falam do percurso de formação psicanalítica, buscando uma aproximação com uma escrita literária e poética” (Conselho Editorial, 2010, p. 07).

“Ao dar um endereçamento, um lugar às elaborações, aos dejetos, aos restos decaídos do processo de análise, os significantes de cada um podem construir um texto e, com isso, uma possível transmissão da psicanálise” (Conselho Editorial, 2010, p. 07) se faz possível.

Em sua segunda edição, em 2011, o Conselho Editorial da Escola, escreve um querer: “que as palavras,  as produções, os significantes trazidos no trabalho dessa Escola não caiam no esquecimento, não fiquem no abandono, mas sirvam ao trabalho de outros” (Conselho Editorial, 2010, p. 07).

Parece haver um desejo de que algo dos Registros e Restos desta Escola fique na memória daqueles que por ali passaram, assim como em seus leitores. E que, com sorte, possibilitem a fundação de outros trabalhos.

Talvez, a escrita desse artigo já evidencie que algo dessa transmissão foi possível…

“A proposta principal é fazer com que as cartas escritas por cada um dos membros não sejam devolvidas, ao contrário, cheguem ao seu destinatário”  (Conselho Editorial, 2010, p. 07).

“Registrar e fazer circular o resultado do trabalho anual da Escola, buscando trazer ao público questões relevantes à formação e a transmissão da psicanálise”, também estão entre os objetivos (Conselho Editorial, 2011, p. 07).

Até a presente data, em sua última publicação, a Escola aborda o caráter de invenção que caracteriza a teoria psicanalítica, relançando os conceitos psicanalíticos fundamentais. O estatuto da função da escrita, relações entre autoria e subjetividade e sua importância, também são colocados em pauta (Conselho Editorial, 2013, p. 05).

Para finalizar este trabalho, retomo a questão inicial: o que quer uma Escola de Psicanálise?

Talvez, o penúltimo parágrafo do Editorial, de 2013, nos dê alguma pista:

Pretende-se com esta insistência (…) quem sabe, um dia, resultar em uma Assinatura, que revele, no final das contas, o Estilo desta Escola de Psicanálise” (Conselho Editorial, 2013, p. 05).

Referências Bibliográficas

Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória. (2010). Registros Psicanalíticos. Ano 1, n 1, Jan/Dez. p. 07.

Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória. (2011). Registros Psicanalíticos. Ano 2, n 2, Jan/Dez. p. 07.

Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória. (2013). Registros Psicanalíticos. Ano 4, n 3, Jan/Dez p. 05.

[1] A sede da Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória (ELPV) está localizada no bairro Praia do Suá, em Vitória, ES.

[2] O curso de Introdução, promovido pela Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória-ES, tem como uma de suas propostas facilitar uma primeira aproximação com a teoria psicanalítica: com um saber que advém da experiência de cada sujeito com o seu próprio inconsciente, somados a uma formação psicanalítica permanente.

[3] Ficha Catalográfica ISSN 2178-1346.

Curta, siga e compartilhe os Escritos Psicanalíticos também no Facebook FBlogo300


SOBRE ESTE ARTIGO:

Artigo escrito em Maio de 2015, por André Nascimento.


SOBRE O AUTOR/EDITOR/IDEALIZADOR DESTE BLOG:

escritos psiAndré Bassete do Nascimento. (André Nascimento). Psicólogo. CRP 16/4290. Consultório Particular: Praia do Suá, Vitória, Espírito Santo (ES). Contato: (27) 999617815 (Vivo). Correio Eletrônico: dreebn@gmail.com ou dreebn@yahoo.com.br

Anúncios