Da Série “A Vida e a Psicanálise

Escrito por André Nascimento

11867_438979812848414_1220446543_n

O AMOR EM CENA

Outra vez o amor está em cena.

É comum tentarmos descrevê-lo, mas como por em palavras toda a sua imensidão?

Quando o amor está em cena, ele fala por si mesmo, por diversos meios, com sua própria linguagem:

Existem várias maneiras de amar e demonstrar o amor

Impressionante é sua capacidade de arrebatar “corações”, invadir os palcos da vida.

É raro o amor chegar de mansinho, perguntar se pode ou não entrar em nossos pensamentos, em nossos corações.

O amor é algo tão real que é possível sentir sua materialidade. Para uns, o amor comparece nos beijos sinceros e intensos, seguidos de arrepios. Para outros, o amor se transmuta nas famosas “borboletas no estômago”.

Não há como existir amor se não existir um corpo a corpo, desejos que se entrelaçam, se materializam nos corpos.

O amor exige o mínimo de falta e submetimento ao outro.

O amor trás para a cena, de modo ampliado, as questões mais íntimas que habitam o ser humano.

O amor invade os palcos da vida, rouba a cena, arrasta outras emoções, nos envolve de uma forma tão intensa que amplia o modo como nos posicionamos diante da vida, o modo como nos colocamos em nossas relações interpessoais.

O amor desvela tudo aquilo que tendemos a não querer ver, principalmente, a falta, que habita todo sujeito humano, fonte do desejo de cada um.

O amor nos coloca sempre em “Prova de Fogo”, pois para amar precisamos mostrar o que realmente somos, e ao fazermos isso, somos expostos ao risco de sermos ou não aceitos:

Amar é se jogar de um precipício sem saber se lá embaixo vai ter alguém para segurar a gente.

Por isso o amor sempre trás algo que apavora, já que não é algo palpável, que possa ser controlado:

O amor só acontece para aqueles que se lançam num vazio, paradoxalmente, repleto de incertezas.

Curta, siga e compartilhe os Escritos Psicanalíticos também no Facebook FBlogo300


SOBRE ESTE ARTIGO:

A Série “A Vida e a Psicanálise”, trás textos em um formato mais informal, articulando psicanálise com o dia a dia. Artigo escrito em 24 de Maio de 2015, por André Nascimento.


SOBRE O AUTOR/EDITOR/IDEALIZADOR DESTE BLOG:

escritos psiAndré Bassete do Nascimento. (André Nascimento). Psicólogo. CRP 16/4290. Consultório Particular: Praia do Suá, Vitória, Espírito Santo (ES). Contato: (27) 999617815 (Vivo). Correio Eletrônico: dreebn@gmail.com ou dreebn@yahoo.com.br

Anúncios