Dica de Leitura: “Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda”, de Howard Pyle

ReiArthur_Comentado

Howard Pyle
Clássicos Zahar
Assunto: Literatura

“Nenhum jovem, não importa a sua grandeza, conhece seu destino. Não pode ver sua parte na grande história que acontecerá. Como todos, deve viver e aprender…” (Merlin, Série BBC One[1]).

O ilustrador e escritor Howard Pyle revive, em palavras e imagens, a saga do Rei Arthur e seus cavaleiros, desde o momento em que Arthur estabelece seu direito ao trono, ao retirar de uma bigorna a espada nela cravada. O livro relata suas batalhas com o Cavaleiro Negro e com o Duque da Nortúmbria, e seus esforços para manter consigo a mágica Excalibur; seu amor por Lady Guinevere e as origens da Távola Redonda; Merlin, traído pela feiticeira Vivien, além de Morgana e a Dama do Lago; Sir Pellias, Sir Gawaine e tantos outros nobres cavaleiros. E, ao fim, vê-se formulado o enigma de cuja resposta depende a vida de Arthur…

Essa Edição Comentada e Ilustrada inclui todas as 41 ilustrações e o texto integral do primeiro livro de Pyle sobre a saga de Arthur, rei da Bretanha. A linguagem e a diagramação do livro são inspiradas nos textos medievais, com resumos da história em pequenos destaques ao longo do texto.

A Idade Média é um período histórico repleto de lendas e mitos que foram transmitidos oralmente de geração para geração, formando um repertório marcado por histórias que fascinavam a população. Faz parte desse repertório o mito arturiano, que envolve o Rei Arthur e seus cavaleiros aclamados pela Távola Redonda, em torno da qual tais homens se reuniam para tratar de assuntos do reino. O Rei Arthur é representado como o principal rei inglês a propiciar prosperidade para a Grã Bretanha, enquanto que o cavaleiro que fizesse parte da Távola Redonda seria um dos principais justamente por este ser o maior título que ele poderia alcançar.
Porém, o principal mistério que envolve as histórias do Rei Arthur e de seus cavaleiros é em relação à veracidade dos relatos – não se sabe, até hoje, o quanto é ficção e o quanto é verídico, justamente porque os dados históricos confiáveis são raros e, quando existem, nada concretos. São muitas as especulações sobre a real existência do rei, o que nos faz imaginar que as aventuras relatadas nos livros que existem não passam realmente de ficção. E muitos autores já transferiram para o papel o que antes era apenas do âmbito oral, mas o principal escritor contemporâneo a fazer isso foi Howard Pyle, um ilustrador estadunidense cujos trabalhos inspiraram até mesmo a caracterização do pirata Jack Sparrow, do filme Piratas do Caribe.
Em “Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda”, lançado pela editora Zahar, temos o primeiro livro da tetralogia que Pyle escreveu sobre o mito arturiano. Nela, ele conta desde o nascimento do rei, passando pelo seu casamento e culminando na sua morte e na decadência de seu reino. Mas neste volume, dividido em duas partes, está presente apenas o seu nascimento, a descoberta de sua origem real, o seu casamento (primeira parte) e as aventuras de três cavaleiros da Távola Redonda (segunda parte).

O Rei Uther-Pendragon toma por esposa Lady Igraine, com quem tem o jovem Arthur. Mas segundo o grande mago Merlin, amigo e conselheiro de Uther, ele logo iria morrer e a criança passaria por perigos devido a seu sangue real. Acreditando na profecia de Merlin, a qual realmente se concretizou, antes de sua morte prevista o rei confiou a criação de seu filho a um nobre, Sir Ector de Bonmaison, apelidado de Cavaleiro Confiável por cumprir suas promessas e guardar segredos. O rei Arthur cresceu como o segundo filho deste homem, e passou a frequentar a corte quando sua família foi convocada à cidade de Londres porque Merlin havia criado um teste para encontrar o verdadeiro rei.

O desafio consistia em retirar uma espada de uma pedra, feito impossível para qualquer homem comum do reino. Por magia, então, é que o verdadeiro rei conseguiria empunhá-la. E, através de uma série de confusões e atitudes ingênuas, Arthur, até então apenas o filho caçula de um nobre, revela a sua verdadeira identidade: ao precisar de uma espada, lembra daquela que está, sem proteção (já que ninguém conseguia transportá-la ou mesmo tirá-la dali), intrincada na pedra, a rouba e leva a seu irmão, o qual tenta se passar por rei. Porém, logo todos descobrem que foi Arthur quem conseguiu retirar a espada, e este é sagrado rei da Grã Bretanha. A partir disso, ficamos sabendo como o rei Arthur cortejou e conquistou Guinevere, com quem se casa, e, na segunda parte do livro, quais as aventuras que marcam a vida de Merlin, Sir Pellias e Sir Gawaine, três dos maiores homens notáveis da Corte do Rei Arthur.

NOTAS:
[1] Merlin é uma série de televisão britânica exibida pela BBC One, conta a história de Merlin, um jovem mago que descobre seus poderes mágicos e se envolve em conflitos com Arthur, quando este ainda não era rei, no reino de Albion, em Camelot.
* *
*
Curta, siga e compartilhe os Escritos Psicanalíticos também no Facebook FBlogo300.

SOBRE ESTE ARTIGO:

Texto extraído do Blog Literature-se! e do Site Zahar.


SOBRE O AUTOR/EDITOR/IDEALIZADOR DESTE BLOG:

escritos psiAndré Bassete do Nascimento. (André Nascimento). Psicólogo. CRP 16/4290. Consultório Particular: Praia do Suá, Vitória, Espírito Santo (ES). Contato: (27) 999617815 (Vivo). Correio Eletrônico: dreebn@gmail.com ou dreebn@yahoo.com.br

Anúncios