Brasil: País Tropical, abençoado por Deus e Bonito por Natureza!

Escrito por André Nascimento

7s

“Brasil, Pais Tropical, abençoado por Deus e Bonito por Natureza!” (Jorge Ben Jor)

Hoje, 07 de Setembro, é um dia muito importante para todos nós Brasileiros!

Um dia que marca o fim do domínio português e o início de uma nova jornada: a conquista da autonomia política brasileira!

Os livros de História nos contam que muitas tentativas anteriores ocorreram e muitas pessoas morreram na luta por este ideal.

Alcançado em 7 de setembro de 1822, às margens do riacho Ipiranga, Dom Pedro proferiu o chamado Grito do Ipiranga, formalizando a Independência do Brasil.”[1]

A partir deste dia, nenhuma lei de Portugal seria colocada em vigor sem a aprovação de Dom Pedro I, o futuro imperador do Brasil, que conclamava o povo a lutar pela independência!

O Brasil precisou re-construir o seu lugar no mundo. Entretanto, nem todas as camadas sociais acompanharam ou entenderam o significado da independência.

Não poderia haver dia melhor para re-lançarmos a questão: “O que é o Brasil”?

O que é esse “Brasil” com B maiúsculo – um país, cultura, local geográfico e território – hoje, reconhecido internacionalmente – e também casa, pedaço de chão calçado com o calor de nossos corpos; Brasil que também é lar, memória e consciência de um lugar com o qual se tem uma ligação especial, única, muitas vezes sagrada (DaMatta, 2004).

“Ora, mas como é que sei o que sou? Como se constrói uma identidade social? Como um aglomerado de gente se transforma num Brasil?” (DaMatta, 2004).

Moramos num País Tropical – parafraseando Jorge Ben Jor, “abençoado por Deus e bonito por Natureza” – e plural. Somos brasileiros, com toda a diversidade que isso significa. Comemos feijoada, mas também pato ao tucupi, churrasco, tambaqui. Dançamos samba, e ainda Rock, Forró, Funk, Axé… Somos católicos mas não despregamos os olhos das divindades que vagam em outros domínios (DaMatta, 2004).

E mais: Sou brasileiro e não americano porque gosto mesmo é de comer feijoada e não hambúrguer; porque, ouvindo música popular, distingo imediatamente um Frevo de um Samba; porque no Carnaval trago à tona as minhas fantasias; porque acredito em santos católicos e também nos orixás africanos e não tenho uma posição religiosa exclusiva e rígida; porque sei que tenho relações pessoais que não me deixam caminhar sozinho neste mundo, como acontece com os americanos, que sempre se veem como indivíduos! (DaMatta, 2004); porque a minha vida acontece em Terras Brasileiras e não em Nova York.

Ora,

Como será que tudo se mistura e acaba dando em brasilidade? (DaMatta, 2004).

Brasil é sinônimo de diversidade!

Fundamental aproveitar essa oportunidade para dizer que o Povo Brasileiro ainda precisa rever alguns conceitos e amadurecer. Afinal, ainda somos um povo que, vez e outra, caímos numa posição queixosa, onde vitimados, exigimos que nossos familiares, amigos, sociedade, governantes – e se “bobear” até que nossos gatos e cachorros” – atendam imediatamente todos os nossos caprichos, demandas, anseios e faltas, esquecendo que eles, assim como nós, também são seres humanos, com qualidades e falhas do homem comum. Esquecemos que nós também somos autores, protagonistas e personagens desta história.

Exigimos, dia após dia, que nossos semelhantes resolvam aquilo que não anda bem em nossa sociedade, de forma a nos eximirmos de nossa própria responsabilidade:

Queremos áreas de lazer, mas jogamos lixo nas ruas, destruímos o patrimônio público; Cortamos e ateamos fogo nas árvores, matas e vegetações; Prendemos animais em gaiolas para ouvir o seu “canto”; Dizemos que os gazes que saem dos motores dos automóveis fazem mal a nossa saúde e à atmosfera, avisamos a nós mesmos nos noticiários sobre o “Efeito Estufa”, mas vamos para o trabalho de carro, porque não temos bicicletas ou ciclovias, porque o transporte público está lotado, porque chove, porque faz sol, porque está ventando, porque sim!; Jogamos lixos nas ruas dizendo que estamos contribuindo com o emprego do gari…

É este tipo de reflexão que nos falta.

Ainda bem que o Brasil não está pronto e acabado.

Ainda há muito que viver e aprender.

Muitas histórias (e músicas) sobre o nosso Brasil ainda serão escritas…

 

Ouça: País Tropical ♫

Notas

[1] FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013. p 116.

Referências Bibliográficas

DaMatta, R. (2004). O que é o Brasil. Coleção Cidadania. Rio de Janeiro: Rocco.

 

Curta, siga e compartilhe os Escritos Psicanalíticos também no Facebook FBlogo300.


SOBRE ESTE ARTIGO:

Artigo escrito em 7 de Setembro de 2015, por André Nascimento.


SOBRE O AUTOR/EDITOR/IDEALIZADOR DESTE BLOG:

escritos psiAndré Bassete do Nascimento. (André Nascimento). Psicólogo. CRP 16/4290. Consultório Particular: Praia do Suá, Vitória, Espírito Santo (ES). Contato: (27) 999617815 (Vivo). Correio Eletrônico: dreebn@gmail.com ou dreebn@yahoo.com.br

Anúncios